Gengivite

gengivite

O que é a gengivite?

As gengivas são uma parte muito vulnerável da boca e que está sujeita a muitos fatores de risco e perigos. A gengivite é uma doença multifatorial, resulta de uma relação complexa entre os agentes infeciosos e os fatores do hospedeiro.

A gengivite é a primeira fase da doença gengival. A cor habitual da gengiva é rosa pálido. A gengivite torna as gengivas avermelhadas. Estas podem inchar ou ficar excessivamente lisas e brilhantes. Pode existir ligeiras ou mais severas perdas de sangue durante a alimentação e durante o processo de higiene oral. As bactérias libertam substâncias agressoras (toxinas) e o organismo tenta defender-se. Essas bactérias provocam uma inflamação por irritação nas gengivas.

  O aparecimento da gengivite acontece sobretudo pela acumulação de placa bacteriana. Esta acumulação de bactérias denominada de placa ou biofilme acontece a longo prazo pelo acumular de restos de alimentos entre as peças dentárias. Se a placa não for removida transforma-se numa substância dura denominada de tártaro. As bactérias atacam o periodonto (osso alveolar, ligamento periodontal e cemento), tecido que sustem os dentes.

A gengivite é a fase inicial da periodontite. Quando surge não é dolorosa. Porém, o alastrar da doença pode afetar gravemente os dentes e causar muito desconforto.

Fases de uma gengivite

  • Fase inicial: Pode existir uma ligeira hemorragia durante a escovagem. As gengivas ficam ligeiramente avermelhadas. Esta fase é ainda ligeira e difícil de detetar.
  • Fase intermédia: Nesta fase intermédia surge o inicio da lesão. As gengivas ficam um pouco mais avermelhadas, a hemorragia é maior durante as escovagens e a sensibilidade aumenta.
  • Fase final: A lesão torna-se grave. Pode existir hemorragia abundante durante as escovagens. O epitélio alarga-se, ou seja, o espaço entre a gengiva e o dente.

Quais os sintomas da gengivite?

As gengivas ficam avermelhadas, a pessoa sente dor e sensibilidade à temperatura quente ou fria. Pode surgir mau hálito. Pode existir retração gengival e por esta razão os dentes parecem ser maiores. Por vezes surgem reservatórios de pus junto da gengiva.

Causas da gengivite

A principal causa é o acumular de placa bacteriana na linha das gengivas. Essa placa denomina-se de tártaro. Pode estar associada a alterações hormonais. É comum encontrar a inflamação em adolescentes que atravessam um período de intensa produção hormonal, em mulheres no período menstrual, que geralmente apresentam hiperplasia gengival, o aumento e inchaço da gengiva.

As grávidas são classificadas como um grupo de risco. A inflamação é denominada de gengivite gravídica e há que salientar a possibilidade de evolução para a existência de uma bolsa de pus(bolsa periodontal). Há maior incidência de gengivite em pessoas que, por alguma incapacidade motora ou por má posição dentária (dentes sobrepostos) ou mesmo pelo uso de aparelho ortodôntico, têm dificuldade em escovar os dentes corretamente.  Outro tipo de gengivite está relacionado com as doenças sistémicas, tais como diabetes , leucemia e a sida. Em virtude da dificuldade de cicatrização e baixa imunidade, a gengivite é mais agressiva nos portadores dessas doenças. Fumadores também são mais propensos a ter gengivite aguda. Um fumador produz menos saliva e, consequentemente, tem menor produção de anticorpos. O fumo do tabaco altera a resposta do organismo aos ataques das bactérias responsáveis. O organismo fica debilitado com o fumo dos cigarros e não consegue reagir. Onde se localiza a gengivite? A gengivite pode estar localizada num ou mais grupos de dentes, conforme a distribuição do fator irritativo (localizada) ou, ainda, em todos os dentes (generalizada). Pode atingir apenas a papila (gengivite papilar), estender-se à gengiva marginal (gengivite marginal) ou, ainda, à gengiva inserida (gengivite difusa).

Quais as complicações causadas pela gengivite?

As gengivas sangram. Muitas casos de gengivite acontecem devido à dificuldade em identificar os seus sintomas. Quando não é corretamente diagnosticada e tratada pode originar em casos extremos a perda de peças dentárias ou seja a extração inevitável. A infeção alastra , destrói os ligamentos do dente e os tecidos circundantes. A gengiva separa-se progressivamente do dente e este acaba por cair. Uma gengivite na sua fase mais aguda pode tornar-se em periodontite.

Qual o tratamento da gengivite?

  • Consultas regulares no dentista, de seis em seis meses ou uma vez por ano evitam que uma doença gengival ultrapasse a fase inicial prevenindo assim danos irreversíveis.
  • O tratamento destartarização remove a placa.
  • A higiene oral é de extrema importância e é considerado um tratamento de profilaxia. Uma boa higiene oral reduz e evita o aparecimento da doença das gengivas.
  • Existem pastas dentífricas especialmente concebidas para evitar a hemorragia gengival. Os dentes devem ser escovados diariamente várias vezes ao dia assim como a língua e o palato (céu da boca).
  • Deve-se usar elixires orais para complementar a higiene. Estes elixires contribuem para eliminar as bactérias que possam ainda estar alojadas entre os dentes mesmo após uma correta escovagem.